Gilberto Monteiro da Silva

Militantes que Fizeram e Fazem a História da PJMP 

Gilberto Monteiro da Silva – Rio Grande do Norte

 

NOTA DA PASTORAL DA JUVENTUDE DO MEIO POPULAR – PJMP

“FELIZES OS QUE SÃO PERSEGUIDOS POR CAUSA DA JUSTIÇA, PORQUE DELES É O REINO DOS CÉUS” (Mt 5, 10)

A PJMP da Arquidiocese de Natal e de todo o Brasil assiste com pesar e revolta o assassinato de um dos seus ex-militantes: GILBERTO MONTEIRO DA SILVA, vítima da fúria e crueldade daqueles que, ocupando o poder político e econômico, roubam o nosso povo e mergulham o nosso país e as nossas cidades no mar de lama da corrupção, da violência, da matança indiscriminada. Gilberto foi vítima das quadrilhas que governam as nossas cidades e o nosso país.

Por isso, nós jovens do meio popular de todo Brasil, integrantes da PJMP, viemos a público EXIGIR A IMEDIATA PUNIÇÃO PARA OS ASSASSINOS DE GILBERTO e apelamos ao povo de São Paulo, ao ministério público, a câmara de vereadores de São Paulo, e principalmente, aos vereadores dos partidos comprometidos com a justiça, com a ética na política e com os interesses dos trabalhadores e da maioria do nosso povo, para que permaneçam firmes na luta contra a corrupção e em defesa da democracia e da ética na política em São Paulo e no Brasil. 

LEMBRAMOS COM SAUDADE DA SUA ALEGRIA E DISPOSIÇÃO PARA A LUTA PELA VIDA.

A sua bolsa de couro estava sempre pronta para pegar a estrada e articular os jovens do meio popular onde fosse preciso. No final dos anos 70 e início dos anos 80, GILBERTO deixou Goianinha para tentar melhores alternativas de vida em Natal, tendo estudado no Colégio Estadual Winston Churchill. Como tantos jovens do meio popular, sem ter moradia em Natal, foi residente na CASA DO ESTUDANTE. 

Sua aproximação com a PJMP aconteceu a partir das atividades da Pastoral no então 3º zonal. Além disso, GILBERTO foi integrante do Grupo de Jovens da Catedral, foi grande colaborador do jornal NOVA GENTE e um militante ativo da PJMP. Sempre foi um batalhador e uma pessoa disponível em tudo o que se referiu a sua vida e sua participação nesta pastoral. 

Enquanto esteve no Rio Grande do Norte, manteve uma grande amizade com os então seminaristas Robério e Murilo a quem visitava com freqüência no Seminário de São Pedro. Aliás, o Seminário de São Pedro foi para ele também um lugar de acolhida em Natal. Não foram poucas as vezes em que, no momento das dificuldades e de falta de alimentação na Casa do Estudante, sem ter como "se virar", o Seminário era o lugar onde ele encontrava acolhida e alimento.

ELE FOI FIEL AO QUE VIVEU E APRENDEU NA PJMP!

Como tantos nordestinos, Gilberto deixou o Rio Grande do Norte e sua terra natal, GOIANINHA, na primeira metade dos anos 80, para tentar a sobrevivência e uma vida melhor em São Paulo. Lá chegando, teve a acolhida de um tio e a alternativa de sobrevivência encontrada foi trabalhar como CAMELÔ no viaduto Santa Efigênia. Fiel ao que viveu na PJMP, entendia que a sobrevivência dos pequenos passava pela sua organização e mobilização como categoria. Não teve dúvidas que o caminho era a criação de uma ASSOCIAÇÃO que reunisse os camelôs e defendesse os seus interesses. 

ELE FOI UM PROFETA!

Diz Sebastião Gameleira Soares que o profeta encara a crise e o conflito de frente quando outros tentam encobri-la. O autor diz ainda que "só se pode entender o profeta a partir da sua inserção na política", porque é o horizonte das lutas pela construção do novo. Em 1999, GILBERTO, como profeta do povo, denunciou a corrupção em São Paulo e esteve depondo como testemunha na CPI DA MÁFIA DOS FISCAIS. A própria rede globo registrou o seu depoimento onde dizia: "sei que sou um arquivo vivo e em qualquer momento posso ser detonado". Mesmo sabendo disso, não se intimidou em contribuir com a justiça.

Hoje, como Presidente da Associação dos Camelôs Independentes de São Paulo, ELE não era para nós apenas um líder dos camelôs em São Paulo. Ele foi um profeta, porque teve a coragem de encarar a corrupção de frente e não abriu mão do seu compromisso e fidelidade com a luta pela justiça, contra a corrupção e por uma vida com dignidade para todos.

CONTINUAREMOS A LUTA PELA JUSTIÇA!

Companheiro GILBERTO, aqueles que dominam o nosso País e nos matam com a fome, com a miséria, com o desemprego, com a falta de terra e de teto, com a corrupção, tentam nos calar de todas as formas. O seu sangue derramado é uma convocação a todos nós, homens e mulheres, jovens e crianças a continuar na luta por uma vida com dignidade para todos, pela justiça e contra a corrupção em São Paulo e em todo país. Esse compromisso, que você viveu até as últimas conseqüências, é a grande causa do Reino de Deus!

A PASTORAL DA JUVENTUDE DO MEIO POPULAR – PJMP – É TESTEMUNHA : 

“Gilberto foi um grande por onde passou. Tive a graça de conviver muito de perto com esse jovem. No seu tempo de grupo de jovem era como um irmão lá em casa. Seu dom era convocar os jovens e começar os grupos. Impressionante como sabia motivar os e as jovens para se organizarem. Atuou decisivamente na área da cana potiguar. Quando foi morar com um de seus tios no Centro de São Paulo foi ser vendedor ambulante e logo iniciou uma cooperativa. Foi assassinado em São Paulo porque denunciou um esquema de corrupção. Presidi a missa de corpo presente dele.”

Pe. Murilo, Parnamirim, 25.03.2009