O estado do nosso Estado

O estado do nosso Estado*

O Estado do Paraná
Só quem dá jeito é Jesus
Tem escola que falta água
Hospital que falta luz
Falta merenda na escola
E professor/a come cuscuz

Parece que quem conduz
O Estado é sem coração
Deixa as crianças sem leite
Fracassa na educação
Até mesmo as viaturas
São movidas ao empurrão

Dizem que a alimentação
É podre ou está vencida
Que as únicas coisas que crescem
É a dívida adquirida
A folha de pagamento
E a esperança perdida

A educação está falida
E o professor infeliz
Tem escolas que falta a lousa
Tem outras que falta o giz
Falta agora a confiança
Richa não cumpre o que diz

Tape bem o seu nariz
Abra o olho e a esperança
Que as promessas de campanha
Viraram grande lambança
A única prioridade
São os cargos de confiança

Tá faltando governança
Falta vontade e respeito
O estado de nosso Estado
É de coma e não tem jeito
Vamos nos unir agora
Pra corrigir o mal feito

De meu lado eu não aceito
Ver salas sendo fechadas
Professores/as sem o mínimo
Das condições mais faladas
A insegurança é um caos
Desculpas mais que manjadas

Nos parques e nas calçadas
Bares e Igrejas também
O assunto é o desgoverno
Ou o governo que não tem
Palavra e nem direção
E pra ricos só diz amém

Mas em Outubro que vem
Tudo isto pode mudar
Cada voto é uma vida
Por isso aprenda a votar
Tucano depois de eleito
Já vimos no que é que dar

Nunca pare de sonhar
Diz uma linda canção
Democracia se faz
Com vez, com voto e união
Não se constrói um Estado
Destruindo a educação

Por isso preste a atenção
Não aja como otário
O Estado não é brinquedo
De playboy e mercenário
Tem que tratar com respeito
Trabalhador e empresário

Seria enorme o glossário
Na sua totalidade
Tem auxílio moradia
Aos que têm cumplicidade
Terceirizando a saúde
E baixando a maioridade.

* Cordel: Poema em sextilha. João Santiago. Teólogo, Poeta e Militante. Autor do livro: “Gamela de Pedra”, entre outros. À venda com o autor. poesiaemilitancia@yahoo.com.br (41) 9865-7349 - TIM e 8489-4530 OI.